quinta-feira, 24 de setembro de 2009

"- Como esse elevador demora. - pensei enquanto esperava o elevador no térreo. Quando o mesmo chegou, adentrei a caixa metálica e senti um leve sobressalto de meu coração. Um suspiro o curou. Deve ser a minha claustrofobia.
Abro a porta de meu apartamento, descalço meus tênis e ando até a mesa da sala mais próxima. Deixo minha bolsa com minha câmera ainda com as ultimas fotos do ensaio para a revista naquela semana. Essa fora uma semana corrida. Ainda bem que hoje é sexta.
Enquanto caminho para o banheiro, vou me despindo e deixando as roupas cairem pela casa. Entrei no banheiro já despido e abro o chuveiro. A água que cai é morna e aconchegante. Para quem pode respirar.
Sinto novamente um desespero enquanto lavo meus cabelos, e desligo rapidamente o chuveiro. Meu banho durou muito menos do que eu esperava. Droga. Ainda bem que já é sexta feira.
Saio do banho com um roupão vestido e caminho para a cozinha. Uma lasanha foi feita no microondas. Na primeira garfada, outro desespero. Outra falta de ar momentânea. A comida deve estar quente demais.
No sofá, penso em como a semana foi desesperadora. A avalanche de coisas, a faculdade, os amigos, a distância, a carência, a perda... outro desespero. Outro esmagamento.
- Não consigo respirar. - digo para um ninguém.
- Não. Consigo. Respirar. - repito mais baixo, levando minhas mãos ao pescoço. Ninguém o ouviu. De novo.
- Não consigo... - o que, respirar?



Deve ser só a Morte novamente. Ainda bem que já é sexta."

2 comentários:

  1. Ainda bem que hoje é sexta-feira, e a Morte não guarda descanso sabático. ;)

    ResponderExcluir